Como funciona

Confira a tabela de Coparticipação: Tabela Coparticipação Unimed

NOVOS VALORES MENSAIS DO CONTRATO

tabela agregado

 

 

 

Em 2007, o Governo concedeu aos servidores técnico-administrativos do país o Auxílio Suplementar de Saúde, um ganho de greve após muita luta dos trabalhadores. Sendo assim, surgiu a necessidade e vontade dos TAE’s de terem um plano de saúde que os contemplasse da forma mais conveniente possível. À época, foi feita uma ampla discussão na categoria sobre qual plano de saúde melhor atenderia os trabalhadores, levando em conta vários fatores, como acessibilidade, localidade, qualidade e preço. Conforme tais parâmetros, a Unimed Inconfidentes liderou a preferência.
Foi aprovado pela maioria que a UFOP não intermediasse a contratação do plano de saúde, pois a instituição só poderia selecionar uma empresa por meio de licitação. Este fato daria chance para que uma empresa indesejada pelos trabalhadores fosse contratada.
Para que houvesse a contratação da Unimed, o Sindicato pôde intermediar o convênio. Assim, era emitido um boleto individual do plano para cada associado. A Unimed exigiu para a criação do convênio, um número mínimo de 2.000 vidas (ou conveniados). Para atingir esse número, foi feita uma parceria com as outras duas entidades sindicais federais, ADUFOP e Sinasefe.
Portanto, em 2008 foi assinado o convênio dos três sindicatos com a Unimed. Até então, o responsável pelo pagamento do plano à Unimed era cada associado. Porém, em 2009, a Agência Nacional de Saúde, ANS, decretou – por meio da Resolução Normativa RN Nº200 de 13 de Agosto de 2009 – que o pagamento dos serviços do plano seria de responsabilidade da pessoa jurídica contratante. Ou seja, a empresa não poderia mais fazer a cobrança diretamente aos beneficiários do plano. Dessa maneira, os sindicatos tiveram de assumir a responsabilidade do pagamento à Unimed, e passaram a emitir boletos próprios aos associados para o pagamento de cada fatura.
Atualmente, a crescente inadimplência de alguns associados tem colocado em risco a existência do plano, pois o alto valor do débito onera bastante o ASSUFOP, que tem a obrigação de pagar em dia todos os valores à Unimed. O Sindicato tem excluído associados do plano e faz constantemente a cobrança às pessoas que estão em débito através de ligações, cartas e emails. Porém, não há uma diminuição no número de inadimplentes e, pelo contrário, o valor em débito tem crescido a cada mês.

Para evitar essa inadimplência, foi aprovada em assembleia geral dos TAEs no dia 29 de março o mudança do pagamento do boleto para débito autorizado em conta. Dessa forma, os associados correntistas dos bancos Caixa, Banco do Brasil e Santander devem ir ao Sindicato ASSUFOP, assinar a autorização para o débito automático do plano. Correntistas de outros bancos vão continuar a pagar o boleto, pois o Sindicato ainda não conseguiu o convênio com outras instituições financeiras.

E por que o valor do plano não vem descontado na folha de cada trabalhador? O valor não pode ser descontado na folha de pagamento do servidor, pois apenas a UFOP tem poder para tal fim.

 

uni