Nota de apoio à greve dos caminhoneiros

O Sindicato ASSUFOP manifesta publicamente o apoio à greve dos caminhoneiros que nesta terça-feira chega ao 9º dia. Dentre as reivindicações que motivaram a paralisação dos caminhoneiros, destaque-se a legítima insatisfação com a política de preços dos combustíveis. O governo entreguista de Michel Temer age em favor do mercado internacional contra a soberania nacional ao refinar o petróleo da estatal no exterior, tornando o preço final do combustível mais caro para os brasileiros e mais barato para o mercado estrangeiro, agradando assim, o mercado financeiro especulativo que insiste em tutelar e derrubar democracias, sobretudo, na América latina.

É inerente à democracia levantar-se contra imposições políticas econômicas que trucidam as rendas, sufocam o consumo, empobrecem as famílias e precarizam a força de trabalho. No entanto, destaca-se que há no movimento dos caminhoneiros grupos oportunistas que, num ato de extrema desinformação e ódio, pedem a volta da intervenção militar no Brasil. O ASSUFOP é veementemente contrário a quaisquer manifestações que almejam o retorno deste período vil, infame da história brasileira. Para efeito de recordação, os militares deixaram o Brasil com 240% de inflação; a desigualdade social cresceu desenfreadamente; implantaram uma censura na imprensa que teve de assistir os níveis altíssimos de corrupção sem investigação, além de torturar, matar, prender e perseguir opositores ao regime.

Vale ressaltar que a greve dos caminhoneiros traduz uma insatisfação geral com o atual governo golpista, este que, através de medidas antipovo, favorece exclusivamente os barões do capital internacional em detrimento da democracia. Tal desmantelamento dos direitos do povo se traduz na reforma trabalhista, reforma da previdência, desmonte do serviço público, aumento do desemprego, restrição da proteção social, privatização, sucateamento da educação e saúde, congelamento dos investimentos.

Por uma Petrobrás do Povo Brasileiro.
Fora Pedro Parente!

Ouro Preto, 29 de maio de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *