Praça Tiradentes é palco de manifestação contra a morte de Igor Mendes

Audiência na Câmara discutiu violência policial em Ouro Preto.


Dor, indignação e sentimento de injustiça. A tarde desta terça-feira (19) foi marcada pela revolta da população ouropretana que foi à Praça Tiradentes, no centro da cidade, exigir providências em relação à morte de Igor Mendes, de 20 anos, que foi morto com um tiro na cabeça em Ouro Preto durante abordagem policial na última sexta-feira (15). O trânsito ficou interditado nos arredores da praça durante todo o dia.

Igor Mendes, de 20 anos, levou um tiro na cabeça de morreu na hora

Conforme testemunhas, Igor estava num carro com mais quatro amigos, a caminho de um show, quando foi surpreendido por uma abordagem da polícia militar. Ao tentar abrir a porta para sair do carro, Igor foi atingindo por um tiro na cabeça e morreu no local. O jovem não estava armado e não tinha passagem pela polícia.

Por conta desse episódio, Ouro Preto vive um clima de indignação. Cerca de 150 pessoas se reuniram na Praça Tiradentes e, com camisas e cruzes representando a morte de Igor, clamavam por justiça e pediam o fim do extermínio de jovens na cidade e no Estado.

Cruzes, camisetas e cartazes em homenagem a Igor Mendes (Foto: César Diab)

Logo após o ato público, às 17h, ocorreu uma audiência na Câmara Municipal de Ouro Preto com a presença dos familiares e amigos de Igor que debateu o episódio. A sessão foi tumultuada. A presidência da sessão abriu espaço na Tribuna Livre para que os presentes pudessem se manifestar. Os vereadores aprovaram uma representação pedindo investigação, intervenção e providências. A representação, atendendo a uma convocação do presidente da Câmara, Wander Albuquerque será entregue por todos os vereadores durante Audiência Pública a ser realizada na manhã desta quarta-feira (20) na ALMG, em Belo Horizonte.

Uma representação também aprovada será encaminhada à Segunda Promotoria pedindo proteção à família e aos envolvidos no caso.

Segundo a versão da PM, em nota enviada à imprensa no ultimo sábado, o Fiat Pálio estava com “lotação superior à permitida, seis ocupantes, e com película escura nos vidros, o que gerou suspeição e acompanhamento da viatura policial.” De acordo com a nota, foi dada ordem de parada ao veículo, que não foi obedecida de imediato. O carro só parou, segundo a PM, em um segundo pedido de parada

“O passageiro que ocupava o banco da frente, no momento da ordem para descer do veiculo, levou as mãos à cabeça e, em seguida, abaixou-se e tirando as mãos da cabeça efetuou movimento brusco com as mãos em direção ao porta-luvas do carro. O comandante da equipe policial, então, verbalizou e efetuou um disparo de arma de fogo na direção do passageiro, pois devido ao movimento brusco do jovem, o mesmo poderia atentar contra a integridade física dele e dos outros policiais militares.”

A Prefeitura de Ouro Preto divulgou uma nota sobre a morte do rapaz. Leia na íntegra:

“O Município de Ouro Preto, através do seu Prefeito Júlio Pimenta, manifesta seu profundo pesar pela morte do jovem Igor Arcanjo Mendes, alvejado em uma abordagem da polícia militar no último dia 15/09.

O ocorrido causou comoção em toda a comunidade ouro-pretana, uma vez, que Igor era um jovem de apenas 20 anos, conhecido como uma pessoa de boa índole, sem passagem pela polícia, trabalhador e vindo de uma família de bons princípios e valores.

A ação policial merece pronta investigação da Corregedoria da Polícia Militar, do Ministério Público e do Poder Judiciário. O Município de Ouro Preto acionará também a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais para acompanhar todas as apurações.

Enlutados, manifestamos mais uma vez nossa solidariedade à família e amigos de Igor.”

Confira a nota de repúdio do Comitê Central de Mobilização da Região dos Inconfidentes

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *